Saiba como escolher um tablet

Saiba como escolher um tablet

Tela, processador e memória são alguns dos itens a serem observados

André Cardozo , iG São Paulo  - Atualizada às 
O mercado de tablets está cada vez mais aquecido no Brasil. Segundo dados da Gfk referentes ao período entre janeiro e agosto deste ano, as vendas de tablets cresceram mais de 200% em um ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Analisando um período diferente, o IDC também registra o crescimento do mercado de tablets no País. 
Esses aparelhos devem estar entre os itens mais procurados no Natal. Mas escolher o tablet ideal é muito mais do que reparar apenas no tamanho da tela. Itens como processador e memória também devem ser considerados na hora da compra. A seguir, o iG traz um guia para ajudá-lo a escolher seu tablet. Confira.
Veja tablets atualmente à venda no Brasil
Novo iPad mini com tela Retina é vendido no Brasil por R$ 1.499. Foto: Reuters
1/14
Preço
De modo geral, o mercado brasileiro tem tablets de três categorias. Aparelhos básicos, com preços inferiores a R$ 500, costumam economizar na memória e trazer o necessário apenas para as tarefas mais básicas. É nesse segmento que estão muitos tablets de empresas como DL, Foston, Newlink, SpaceBR e outras.
No segmento intermediário, de aparelhos até R$ 1.000, estão os tablets com melhor relação entre custo e benefício. Esses aparelhos têm configuração mais robusta e tela de melhor qualidade. Entre os aparelhos desta categoria estão o Positivo Mini, o MemoPad HD7, da Asus e o Slate 7, da HP.
Os tablets acima de R$ 1.000 são os mais poderosos. É nesta categoria que estão o iPad Air, o iPad Mini e os aparelhos da linha Galaxy Note. O investimento nesse caso vale mais para quem é fã de games ou pretende usar outros aplicativos "pesados", que consomem muita memória.
Sistema
Android, sistema criado pelo Google e presente em tablets de vários fabricantes, é o líder disparado no mercado brasileiro de tablets. O sistema tem boa quantidade de aplicativos, mas exige que o usuário tenha cautela ao baixar novos programas devido à incidência cada vez maior de vírus.
André Cardozo/iG
Sistema Android é o mais popular no mercado brasileiro de tablets
Alguns poucos tablets ainda são vendidos com versões 2.3 do Android, mas esses aparelhos devem ser evitados. Caso escolha o Android, prefira um tablet com versão 4.0 ou superior.
A versão mais moderna do Android atualmente é a 4.4 (KitKat), mas ela ainda não chegou aos tablets vendidos no Brasil.
Em termos visuais, há poucas diferenças entre as versões 4.0, 4.1, 4.2 e 4.3 do Android. Os principais recursos também são os mesmos. 
A segunda opção entre os sistemas para tablets é o iOS, o sistema do iPad. O iOS é um sistrema fácil de usar e com aplicativos de excelente qualidade. O iPad tem também as melhores lojas de vídeo e música em relação aos concorrentes.
De modo geral, o iPad Air e seu irmão menor, o iPad Mini, são opções de excelente qualidade para quem tem mais dinheiro para gastar. O ponto negativo é que, ao optar pelo iOS, o usuário fica "preso" ao que a Apple tem para oferecer. Aplicativos, músicas e vídeos baixados nas lojas da empresa não podem ser transferidos para outros sistemas. 
Uma terceira opção na área de tablets é o Windows 8, que tem uma versão feita apenas para tablets com o nome de Windows RT. Mas os principais aparelhos com esse sistema, como o Surface 2 e o Lumia 2520, não são vendidos no Brasil.
Tela
A maioria dos tablets vendidos no País tem telas de sete polegadas. Com uma tela desse tamanho, o aparelho tem uma boa área para ver filmes e navegar na web e, ao mesmo tempo, é pequeno o suficiente para caber na bolsa e ser usado no ônibus ou metrô.
Um pouco acima do tamanho de sete polegadas há os tablets intermediários, como o iPad Mini (7,85 polegadas) e o Galaxy Note 8.0 (8 polegadas). O terceiro segmento é formado por tablets com telas na casa de 10 polegadas, como o iPad e o Galaxy Note 10.1. Este tipo de aparelho costuma ser mais adequado para uso doméstico.
Um aspecto importante para observar na tela é a resolução. Tablets muito básicos costumam ter resolução de 800 x 480 ou próxima disso. O resultado são imagens serrilhadas e com pixels visíveis. Se puder, escolha um tablet com pelo menos 1.024 x 600 de resolução (alguns modelos intermediários já têm resolução de 1.280 x 800). 
Outro aspecto importante da tela é o ângulo de visão. Alguns tablets intermediários têm telas com tecnologia IPS. Essa tecnologia aumenta o ângulo de visão e permite ver imagens com mais clareza mesmo com o tablet inclinado. Mas características como ângulo de visão e brilho não podem ser observadas apenas lendo as especificações. O ideal antes de comprar um tablet é ir até uma loja e observar esse tipo de detalhe com o aparelho nas mãos. 
Processador e memória
Com relação ao processador, não há muito mistério. Quanto mais núcleos e mais velocidade, melhor. Tablets muito básicos costumam vir com processadores de um núcleo, mas a maioria dos aparelhos de fabricantes mais tradicionais já vem com chips de dois núcleos. Tablets mais sofisticados têm processadores de quatro núcleos. A velocidade não varia muito, ficando entre 1 GHz e 1,8 GHz.
Um item que costuma ser insuficiente em tablets mais baratos é a memória RAM. Eles costumam trazer 400 MB ou menos de memória. Para usar os recursos do tablet com alguma folga, o ideal é optar por um modelo com pelo menos 1 GB de RAM, valor já encontrado em tablets intermediários. 
Armazenamento
André Cardozo/iG
Muitos tablets vêm com entrada para cartão de memória microSD
Alguns tablets mais baratos vêm com 4 GB ou menos de armazenamento interno. Esse valor é até suficiente para instalar alguns aplicativos básicos, como Facebook, Twitter e outros.
Mas pode ser insuficiente caso o comprador realmente goste de instalar muitos aplicativos ou seja fã de games. Jogos básicos costumam ocupar cerca de 100 MB e não são poucos os jogos que já chegam a 1 GB ou mais.
Vale ressaltar que o Android não permite instalar aplicativos em cartões de memória. Assim, mesmo em tablets que tenham entrada para cartão, apenas a memória interna poderá ser usada para instalar aplicativos (o cartão é usado basicamente para guardar músicas, filmes, fotos e outros tipos de conteúdo).
Por essas razões, um valor de 8 GB de memória interna é o mínimo desejável para quem quer instalar aplicativos sem preocupação de espaço. 
Conexões
A conexão Wi-Fi (padrões 802.11 b/g/n) é obrigatória em qualquer tablet. Alguns modelos vêm também com conexão 3G, mas esse recurso encarece o aparelho e não é tão útil em tablets. Quem tem também um smartphone pode simplesmente compartilhar a conexão 3G do celular e usá-la no tablet. 
Outra conexão obrigatória e também útil é o Bluetooth, usada para sincronizar teclados, fones de ouvido e outros acessórios sem fio. Já conexões mais específicas, como NFC e DLNA, não costumam ter muita utilidade na maioria dos casos.
No quesito portas, além da obrigatória microUSB para carregar bateria e transferir arquivos, alguns tablets vêm também com uma porta microHDMI. Por meio dela é possível exibir em TVs o conteúdo guardado no tablet. 
Câmera
De modo geral, câmeras de tablets são inferiores a câmeras de smartphones. Mesmo em aparelhos de ponta, como o iPad Mini e o Galaxy Note 8.0, elas não passam dos 5 megapixels e costumam ter bom desempenho apenas em imagens com boa luz natural. 
Assim, a câmera traseira de tablets costuma ser mais útil em situações que não exigem muita qualidade de imagem, como registrar slides de uma apresentação, por exemplo. A maioria dos tablets no mercado têm duas câmeras, uma frontal para uso com Skype e outros aplicativos de chat com vídeo, e uma traseira para fotos. Mas entre os modelos básicos ainda há alguns aparelhos com apenas uma câmera.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Casas do Cidadão alteram critérios de atendimento em Sorocaba

Você sabe a diferença entre pandemia, epidemia e endemia? Pandemia